domingo, 16 de março de 2008

O que é Psicologia?



Na postagem anterior (O que é ciência?), comecei com um pequeno exercício de pensar em palavras que estivessem relacionadas à ciência. Poderia fazer a mesma coisa aqui, mas talvez caia melhor algo diferente. Vamos lá: quando você pensa em um psicólogo, que figura lhe vem à mente?


Aposto que a figura do psicólogo clínico, algo à “la Freud”, com seu divã e sua feição séria foi a mais recorrente. Pois é, não só os não psicólogos como os próprios estudantes de psicologia muitas vezes identificam a própria psicologia com uma de suas possíveis áreas de atuação, que é a psicologia clínica, e ainda mais especificamente, aquela realizada individualmente no consultório particular. Com esse pequeno e modesto texto, não pretendo esgotar o assunto, que pode ser abordado de mil e uma maneiras. Já ficaria feliz, se, ao final dele, você não achasse que psicólogo e psicanalista clínico tradicional são sinônimos.



Definir psicologia é um desafio porque na verdade não existe psicologia. Luis Cláudio Figueiredo (2003) diz que a psicologia, longe de ser um continente, é um arquipélago cheio de ilhas com suas próprias teorias, linhas de pensamento, definição de objeto de estudo, métodos de pesquisa, concepções de ser humano. Por isso, ele prefere falar em psicologias. Por mais que alguns autores critiquem essa visão, acusem-na de radical, acredito que há vantagens nesse modo de pensar. Longe de ser um conhecimento fechado, coerente e certo sobre o ser humano, a psicologia abriga várias linhas de estudo, cada qual com suas singularidades, e que não podem ser unidas num todo.



Acho que para quem não é da área isso esteja um pouco confuso, até porque a imagem que a psicologia tem na mídia é bem diferente dessa que estou tentando passar. Popularmente, o psicólogo é aquele que dá conselhos, que ajuda as pessoas a se sentirem bem, que estudou alguma coisa que não se sabe bem o quê, mas que tem um conhecimento sobre o que é certo ou não fazer em determinadas situações. Essa imagem está bem longe do que realmente a(s) psicologia (s) é(são) ou deveria ser.

Bom, há vários eixos de diferenciação que podem ser ressaltados, e não quero, de modo algum, dizer que os que vou apontar são os únicos ou mais corretos. Para começar, quero diferenciar a atuação clínica, a pesquisa em clínica, a pesquisa básica, e possíveis utilidades da pesquisa básica. Psicólogos querem ajudar pessoas, certo? Mais ou menos, eu diria. Muitos querem, e desses, a maioria pode estar na área clínica, que, em geral, é aquela voltada para atender pessoas. Dentro da grande área que chamei de clínica, pode haver alguns psicólogos que também pesquisam. A pesquisa nesse caso pode ser estudar casos, pesquisar como melhorar o atendimento das pessoas. A pesquisa clínica tem uma aplicação direta, que é na atuação clínica. Nesse eixo, há psicólogos em seus consultórios clínicos particulares, ou em instituições públicas, em escolas, em hospitais, no esporte, enfim, em muitos lugares.


Agora há aqueles psicólogos mais interessados em entender pessoas. Ou melhor, algum comportamento, alguma emoção, algum processamento de informações na mente. Esses normalmente são pesquisadores. Claro que muitos deles também estão interessados em ajudar pessoas, mas não todos. E essas pesquisas que eles fazem não necessariamente vão ter utilidade prática direta, por isso alguns as chamam de pesquisa básica. Em vez de estudar casos particulares, normalmente se estuda os nomotéticos, ou seja, normas, coisas comuns. Como exemplos, algumas perguntas que podem guiar pesquisas: Como os humanos adquirem a linguagem? Como processamos as informações do mundo? Como as imagens que chegam da retina são transformadas naquilo que vemos? Homens e mulheres são diferentes em aspectos cognitivos, comportamentais? Por quê? Da onde vem o preconceito? Por que sentimos vergonha? Como funciona a memória? Por que somos atraídos por bebês? As emoções são universais? E as expressões faciais? Enfim, são muitas as pesquisas que podem ser feitas por psicólogos. E elas não necessariamente vão gerar algum conhecimento prático, que ajude a solucionar alguma coisa, ou ajudar certas pessoas. Trata-se de um conhecimento sobre como as coisas funcionam, que pode ou não ser útil no futuro, no sentido de gerar alguma tecnologia, alguma prática, alguma forma de se ajudar pessoas.

Uma observação: não necessariamente os clínicos, pesquisadores clínicos e pesquisadores básicos são pessoas diferentes. O que quero dizer é que num mesmo período de vida, um psicólogo pode clinicar, desenvolver pesquisas na clínica, e ainda, pesquisas básicas. Uma coisa não exclui a outra. E claro, ele também pode ser professor, dar aulas, que é uma outra atividade, também não excludente.

E dentro de tudo isso, ainda para complicar, existem as linhas teóricas que guiam os clínicos, pesquisadores clínicos, pesquisadores básicos ou professores. Normalmente os psicólogos se identificam com uma maneira de pensar, de atuar, de entender o ser humano, que são várias. Vou citar algumas: a psicanálise, o behaviorismo/análise experimental do comportamento, etologia, psicologia evolucionista, cognitivismo, gestalt, abordagem centrada na pessoa.


Cada uma dessas linhas de pensamento tem origem histórica diferente (Figueiredo, 2002), objetos de pesquisa diferentes (ex. na psicanálise o objeto de estudo é o inconsciente, e na análise experimental do comportamento, o comportamento), métodos diferentes (ex. na etologia faz-se muita observação, na psicologia evolucionista, uso de questionários e entrevistas), enfim, são maneiras de entender e, nas linhas que se propõem a isso, de tratar o ser humano. Há alguns profissionais que preferem não se denominar como pertencente a uma dessas linhas teóricas, comumente porque se identificam com mais de uma, e/ou porque sabem que nenhuma das linhas “descobriu” e desvendou tudo do ser humano e preferem pegar um pouco de cada uma.

Ou seja, deu para perceber que a psicologia não é uma área fechada e com consenso. Há muita discussão e pesquisas em andamento, e tudo o que se sabe é que ainda sabemos muito pouco do ser humano, sejam seus aspectos comportamentais, cognitivos, emocionais. Por fim, podemos considerar que o que une esse arquipélago das psicologias é o interesse pelo ser humano nesses aspectos citados.


Por curiosidade, entrei na Wikipédia e lá está a definição de psicologia: “A psicologia (do grego Ψυχολογία; ψυχή (psique), "alma", e λογία (logos), "palavra", "razão", "estudo") é a ciência que estuda os processos mentais (sentimentos, pensamentos, razão) e o comportamento humano e animal (para fins de pesquisa e correlação, na área da psicologia comparada)”. (Observação: “Psique” significa “alma”, mas para esse termo atualmente é entendido como “mente”).

Outro lugar interessante de olhar para entender melhor o que é a psicologia é o site do MEC, nas Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de psicologia.(http://portal.mec.gov.br/cne/index.phpoption=com_content&task=view&id=98&Itemid=227).



Claro que ainda vou publicar outras postagens sobre o assunto, se tiverem sugestões ou críticas, comentem. A partir da provocação de que psicologia e psicanálise clínica tradicional não são sinônimos espero ter aguçado a curiosidade de vocês para que procurem saber mais sobre o que o psicólogo faz.




Para saber mais

FIGUEIREDO, Luis Cláudio Mendonça. A invenção do psicólogo : quatro séculos de subjetivação 1500-1900. 5.ed. São Paulo: Escuta, 2002.

Matrizes do pensamento psicológico. Autor(a): Luis Cláudio M. Figueiredo. 12 ed. - Petrópolis, RJ - Editora Vozes – 2003.

8 comentários:

Silas disse...

faço parte do encimadomurismo psicológico-intelectual.

quero crer que, como não há verdades absolutas, todas as visões devem recber o devido crédito e que, talvez, as melhores respostas serão encontradas ao unirmos todos os tipos de analise.

abraços...

diego disse...

Isabella Bertelli, sabe eu de inicio eu queria fazer geologia de curso superior aqui na UFPR, desde o segundo ano do ensio-medio, mas agora que terminei o ginasio, me bateu uma vontade incontrolavel de fazer psicologia, mas na verdade eu nem sabia, do que se tratava apenas surgiu a ideia de fazer o curso, mas eu queria ja que voce ja é formada na area, eu queria que você me estivesse indicando alguns livros da sua area, mas na verdade quando li esta sua postagem, eu ja percibi que eu provalmente vo ta opitando pela area clinica. Me manda neste e-mail por favor.

diegoo_rk@hotmail.com

suzanne disse...

oi.tenho apenas 15 anos mais tenho certeza que quero fazer faculdade de psicologia.adoraria entender melhor o comportamento humano.o que leva o ser humano a emoção e tudo mais.

Ana Paula disse...

tenho 22 anos e começei a fazer adm. de empresas e parei e sempre ouvi de pessoas proximas a mim que nasci pra psicologia pois quero saber o porque de tudo e tudo sobre algumas atitudes de pessoas proximas a mim, isso significa que essa passa ser minha area de trabalho??? tenho muitas duvidas...

Emília FSBA disse...

então o que seria personalidqade para Luis Claudio Figueiredo?
Toda essa mistura de educação familiar, escola, sociedade e cultura também?

mariia disse...

Olá meu nome e maria vou presta vestibular agora pra psicologia ,mas ainda tenho duvidas se vou gosta mesmo dessa profissão se o mercado de trabalho pra essa area tbm e boa ,bom escolhi psicologia por curiosidade de estuda o ser humano e seus comportamento gosto de ouvir as pessoas ñ sei se ser calmo tem algo ah vé mas todos falam q sou calma e vou da certa nessa area.queria q vcs me ajudacem mandando resumidamente oq estuda mesmo psicologia e se pra ser psicologo tem q ter um perfil especifico?

ysiadeia disse...

Sei que você vai ler este comentário
E não vai gostar
Mas você disse

se tiverem sugestões ou críticas, comentem. A partir da provocação de que psicologia e psicanálise clínica tradicional não são sinônimos espero ter aguçado a curiosidade de vocês para que procurem saber mais sobre o que o psicólogo faz.

E você perguntou

O que é Psicologia ?

Na verdade não existe psicologia. Luis Cláudio Figueiredo (2003)

Com suas próprias teorias, linhas de pensamento, definição de objeto de estudo, métodos de pesquisa, concepções de ser humano.

Você fez várias perguntas a cada uma a resposta

Como os humanos adquirem a linguagem?
Não se fala ou não se atende a este assunto
Aqui na terra
É assunto animal

Como processamos as informações do mundo?
Do mundo você pretende entender o universo
Em volta do planeta terra
A resposta é ampla e demora muito escrever aqui
Analisando caso de comunicar e informar
Em qualquer idioma outro

Ou só aqui mesmo na terra
Se for aqui mesmo na terra
Entende o seguinte
Existe atual dois idioma
Sendo escrito estudado analisado
Todo dia
Em qualquer lugar
Aqui mesmo estou usando os dois idioma
Além disso existe cinco inteligência plena
Extraterrena
Inserido em cada idioma dois aqui no chão
Forma um sistema de comunicar
Tanto pra gente usar
Como é usado por criatura humana
Toda humana não é gente

Como vê
A resposta em cada pergunta
Pode ser longa e cansa quem for ler

Como as imagens que chegam da retina são transformadas naquilo que vemos?

Homens e mulheres são diferentes em aspectos cognitivos, comportamentais?

Por quê?

Da onde vem o preconceito?

Por que sentimos vergonha?

Como funciona a memória?

Por que somos atraídos por bebês?

As emoções são universais?

E as expressões faciais?

Se você não gostou
Por favor apague este comentário
Não deixe outras pessoas lerem
Também

Kinnal
e-mail: kinnal@bol.com.br

Max disse...

Eu não sei oue eu quero fazer, mais eu fiquei olhando, estudando o que eu queria fazer, ai olhei na psicologia, me enteressei muito por essa area. No fundo, eu ainda estou em duvida, ja olhei outros cursos, mas não me sinto bem. Me ajuda. aqui estou mandando meu email.
maxsuelrv@hotmail.com
Obrigado se me ajudar.