domingo, 2 de março de 2008

O que é ciência?

Definir ciência não é tão simples quanto parece. Vamos começar com um exercício: pense em cinco palavras que lhe vêm à mente quando pensa em ciência.

Pronto? Bom, talvez tenham aparecido coisas como: verdade – conhecimento – rígido – correto – comprovado. Eu teria pensado em palavras assim algum tempo atrás, antes de entrar na faculdade. Depois disso, percebi que o que é ciência é uma grande discussão, com definições múltiplas e nada de consenso. O que não significa que ela não tenha algo de próprio que a caracterizaria. Por isso, nesse pequeno texto não pretendo, exatamente, responder e esgotar o título que eu mesma escolhi, mas sim levantar alguns pontos, a partir de alguns autores, para estimular a reflexão sobre o assunto. Não irei falar da história da ciência, deixo para outro texto, só lembro que falo da ciência moderna (início no século XVIII).



Ernst Nagel levanta alguns aspectos da ciência, que, lembrando, podem ser alvo de críticas por outros autores. Optei por falar um pouco de suas idéias tanto por ser uma figura importante na filosofia da ciência do século XX, quanto por achar interessante essa diferenciação entre ciência e senso comum que faz. Em “A ciência e o senso comum” ele faz a seguinte constatação: ao longo da história humana, os homens adquiriram muitas informações sobre o meio ambiente. Descobriram o fogo, a produção de ferramentas, como cultivar o solo, como fabricar meios de transporte etc e etc. Então, a aquisição de conhecimentos sobre vários aspectos do mundo não começou exatamente com a ciência moderna. Sendo assim, se pergunta:


“Se o conhecimento é tal que se pode conquistá-lo, mediante o exercício perspicaz dos dotes naturais e do “senso comum”, que excelência especial possuem as ciências e em quê contribuem suas ferramentas intelectuais e físicas para a aquisição de conhecimentos?” (p.15).

O próprio Nagel tenta responder à questão, mostrando o que a ciência teria de diferente do senso comum. O primeiro ponto, diz ele, é que a ciência busca encontrar explicações que sejam ao mesmo tempo sistemáticas e controláveis, e organiza e classifica o conhecimento sobre a base de princípios explicativos. Uma segunda característica da ciência seria a preocupação com o âmbito de aplicação válido de suas proposições. O senso-comum seria adequado para as situações nas quais certo número de fatores permanece inalterado, ou seja, se alguns fatores mudam, o conhecimento já não se torna mais adequado. Na ciência isso também acontece, mas ela se preocupa com isso, delimitando exatamente o campo de aplicação de seus conhecimentos. Uma terceira característica seria que o senso-comum é bastante contraditório, pois se preocupa quase que exclusivamente com as conseqüências imediatas dos acontecimentos observados. Já a ciência buscaria sistemas unificados de explicação, diminuindo as contradições.


Um quarto ponto é que as crenças do senso-comum podem sobreviver por muito tempo. Já alguns produtos da ciência tem vida curta. Isso porque os termos da linguagem comum são vagos e não específicos, enquanto os da ciência são precisos e específicos. Assim, os enunciados da ciência se tornam mais suscetíveis a serem submetidos a críticas através da experiência. Afinal, como realizar o controle experimental das crenças do senso comum se não há precisão, e muita contradição? Elas acabam sobrevivendo por séculos. Quinto: a ciência deixa de lado os valores imediatos das coisas, parecendo que está distantes dos acontecimentos da vida cotidiana. Essa aparente “distância” da vida real seria um aspecto inevitável da busca por explicações sistemáticas e de longo alcance. O senso-comum se interessa por questões mais valorizadas pelo cotidiano. Por último, as conclusões da ciência, diferentemente do senso comum, são produto de um método científico. Isso não assegura a verdade de toda conclusão a que chega a ciência. O que o método científico permite é a crítica de argumentações, tanto no julgamento da confiabilidade dos procedimentos, como na avaliação da força demonstrativa dos elementos sobre os quais se baseiam as conclusões. Já as crenças do senso comum são aceitas habitualmente sem uma crítica dos elementos disponíveis.


Li outro autor que me fez pensar bastante nessas questões: Fourez, no livro “A construção das ciências”. Como o livro inteiro trata disso, vou escolher alguns pontos que considero relevantes para comentar. Aliás, o livro é muito interessante justamente por dar uma noção bem humana do que seja ciência, desmistificando-a, tirando-a da “sociologia dos deuses” como fala o autor, e colocando-a no mundo real.




Para Fourez a ciência é uma feita por humanos, para os humanos e não cai do céu. O raciocínio científico é uma maneira socialmente reconhecida, e extremamente eficaz, ao que parece, de resolver nossas relações com o mundo. Ao contrário dos positivistas, o autor não acredita que a ciência chegue à verdade última das coisas, e nem que seja neutra e sobre-humana. “Onde o positivista diria ‘O mundo é assim’, Popper diria: ‘Nesta situação, parece-nos mais interessante representar o mundo desta maneira’ ” (p.33). Para Fourez, dizer que a ciência é historicamente condicionada não é tampouco negar seu valor e eficácia.

Com relação às características da ciência moderna, Fourez fala que a ciência se quer experimental. Ou seja, só se aceitará como discurso científico aquele que seja a respeito do qual se possa eventualmente determinar uma situação em que o modelo poderia não funcionar. É o critério de falseabilidade, determinado por Popper. Os cientistas, então, rejeitariam os discursos que funcionariam para tudo. Aliás, “falseável” se refere não a algo falso, mas a algo que se pode dizer “não é automaticamente verdadeiro, isso pode ser testado e se revelado como falso”.


A ciência não tem uma objetividade absoluta, pode-se falar em objetividade no sentido de que ela fala de coisas que se situam em um universo comum de percepção e de comunicação, convencional. O autor chama de ideologia a “observação fiel dos fatos” que ainda continua viva (ver meu primeiro texto desse blog). Os conceitos científicos não são dados, e sim construídos.
A ciência não estuda jamais o mundo da forma como é representado no cotidiano, mas sempre do modo como é traduzido na categoria de uma disciplina precisa e particular. Fourez cita Ernst Mach (1925): a ciência pode mostrar-se como a busca de uma maneira econômica de representação do mundo. Ela funciona como uma economia de pensamento, ligada a uma comunicação. A ciência pode então ser considerada como uma tecnologia intelectual ligada a projetos humanos de dominação e de gestão do mundo material. E é o sistema de legitimação mais importante de nossas sociedades industriais.

Bom, esse texto foi só para abrir o assunto. Pretendo falar mais disso, já que me interesso bastante por filosofia da ciência. E quanto ao exercício inicial, vocês devem ter reparado que algumas palavras ou expressões estão em negrito. Na minha opinião, são boas palavras para serem relacionadas à ciência moderna. Não que falem tudo sobre ela, mas nos levam a características muito discutidas e valorizadas do projeto humano a que chamamos ciência.

Para saber mais

Fourez, G. (1995). A construção das ciências: introdução á filosofia e à ética das ciências. São Paulo: Editora da Universidade Estadual Paulista.

Nagel, E. (1968). La estructura de la Ciência – Problemas de la lógica de la investigación cientifica. Buenos Aires: Paidos, pp. 15-26

8 comentários:

Silas disse...

concordo com tudo o que você escreveu e não tenho anda a acrescentar.

ótimo tópico...

Sinn-Klyss disse...

Em primeiríssima mão, passo esta informação. Neste exato momento, sou o primeiro ser humano a ter condições de "criar" matéria.
Tem havido tanta expectativa e espionagem em tudo que faço, que tudo está atento; incrivelmente para que isto não seja desenvolvido, mas, sugado, plagiado, e escondido. Ao mesmo tempo que descubro horizontes inimagináveis para a espécie humana estou no mais difícil instante de minha vida.
Por uma incrível sorte há nos dias de hoje, pelo menos uns poucos canais para se ter como "comunicar" isto; porque estamos num instante dificílimo mesmo para a Ciência.
Poucos podem partilhar da grandeza dessa informação, não há como estimar o quanto fiz por merecer tal conquista.
Domino claramente o conhecimento epistemológico mais avançado sobre o "embrião da criatividade" da Natureza, é lógica nuclear no estado mais puro,ou melhor, mais apurado que se pode imaginar.

ysiadeia disse...

Doutora

Veja o título do seu assunto
Científica Mente
Você não entendeu a mensagem que ela quis lhe dizer
Aa científica que lhe orienta mente isso mesmo diz mentira

Você perguntou aqui onde escrevo este comentário

O que é ciência ?
Conhecimento Completo Certo

Veja como a resposta simples resolve

Não vou me estender neste assunto pois seria muito diferente do seu entender e cada vez mais distante

Toda vez quiser ler com entender mental alto se pergunte quando o tema for ciência

Isto é conhecimento científico ?
O assunto que li está completo ?
Se for usar está certo ?

Se cada resposta for
Sim
Sim
Sim

Basta um Não
E não terá ciência

Cláudia vonderheineken disse...

adorei a postagem e a forma que usou as palavras...
ontem comecei minha faculdade da UNIBH evidentimente de Belo Horizonte, curso: Gestão da Tecnologia da Informação, e a professora da matéria de Metadologia Científica, a seguinte pergunta á nós: " OQUE NÃO É CIENCIA?"
alguns dizeram religião, outros dizeram nada, outros apenas calaram... se pensar bem, tudo tem ciencia, mas acho que isso vem apartir doque a pessoa vê e conhece!
Enfim, venho dizer que no texto, mostra O seu ponto de vista, deixando para os leitores e internautas a opção de pensar no "caso", adiquirir conhecimentos e debater sobre o mesmo.
Por incrivel que pareça a professora pediu uma pequena pesquisa, sobre a pergunta "oque é ciencia?" e pediu 3 fontes de resultados. E uma delas é você!

Lucas Piter disse...

Interessa-me muito saber a diferença entre Ciência, Área de Conhecimento, Disciplina...
Conceitos não tão claros em uma época de transdisciplinaridade e de demarcação de território na academia (alguma influência dos órgãos de fomento?).

ysiadeia disse...

Todo tema com profissão definida
Não é ciência
É sistema de trabalho

Muita gente se engana
Muita gente é enganada
Pensando que tudo que estuda na profissão é ciência
Não é ciência

Se você tem uma profissão definida por lei
Não é ciência o que faz
É trabalho técnico em um sistema de trabalho profissional

Exemplo de trabalho técnico
Em sistema de trabalho profissional
Medicina
Contabilidade
Engenharia
Economia
Administração
Química
Física

Cada tema mostrado acima
É trabalho técnico
Tem profissão definida
É um sistema de trabalho profissional

Não para por ai
A lista é longa

Ciência só deveria existir quando é ciência
Veja um caso de ciência
Idioma

Ciência existe
Quando for assunto e tema inerente
A toda a população
Sem distinção
Sem profissão detalhada

ysiadeia disse...

Doutora

Se quiser continuar esta conversa
Escreva pro meu e-mail

kinnal@bol.com.br

Ou leia mais

http://www.usinadeletras.com.br/exibelotextoautor.php?user=fedmilson

em busca da sábedoria disse...

estarei buscando mais informação sobre assunto, assim estarei adquirindo conhecimento sobre este assunto com objetivo de colocar este conhecimento em prática e aperfeiçoando até ter sabedoria suficiente para manipula o conhecimento que faz ci^encia.