domingo, 17 de fevereiro de 2008

Psicólogo também é gente?

A resposta é óbvia. Ou não. Como estudante de psicologia esse é um assunto que me tira do sério!!! Vou me explicar melhor.

Outro dia eu estava num ponto de ônibus quando algumas pessoas estavam comentando sobre o Big Brother (Ok, é só um exemplo, não estou defendendo esse tipo de programa ou algo assim). Falavam sobre um participante, que é psiquiatra, e havia dado algum tipo de “piti” no dia anterior, brigando com um outro participante. Uma mulher então disse: “Nossa, achei aquilo um absurdo. Como que um psiquiatra faz esse tipo de coisa?? Eu que não ia me tratar com ele! Quem tá doente é ele!”.

Bom, esse tipo de pensamento é extremamente comum, e aplica-se normalmente a psicólogos e psiquiatras. Será que acham realmente que psicólogo não chora? Não sofre? Não fica bravo? Não se descontrola? Enfim, que não é humano? Sinto muito decepcionar, mas um curso de graduação não me tira a essência humana. Não me isenta de sofrer, não me imuniza contra qualquer tipo de problema a que os humanos estão sujeitos.
Eu tenho algumas hipóteses para explicar esse fenômeno. Uma delas é um possível resquício, digamos, antigo de um tempo em que a religião e o misticismo imperavam (não que isso ainda não aconteça). Quando tinham problemas, as pessoas iam atrás de magos, pajés, xamãs, sábios, gurus, oráculos ou algo que o valha, que eram exemplos, encarnações do bom espírito.

Os tempos mudaram (Foucault falou melhor sobre isso) e estamos em um mundo em que os especialistas, principalmente médicos e psicólogos, substituíram essas figuras. O que um curso de medicina ou de psicologia faz com uma pessoa? Será que nos 5 ou 6 anos passamos de reles mortais imperfeitos a deuses detentores da verdade e do equilíbrio supremo? Tiram minha condição humana e me põem uma alma endeusada?
É muito comum, quando falo que sou estudante de psicologia, as pessoas me fazerem perguntas escabrosas, que vão desde “Qual é o seu problema? Porque dizem que quem faz psicologia algum problema tem...” até “Ah, então olha aquele ali e me diz o que ele tem, como ele é, o que acha de mim...”.

Respondendo à primeira questão: Sim, tenho vários problemas, como qualquer um. Se algum deles contribuiu para eu gostar de psicologia eu não sei, talvez. E olhando para a minha classe, que tem 70 pessoas, tudo o que eu vejo são... pessoas. Cada um é de um jeito, cada um se veste de uma maneira, tem um jeito de pensar, de agir, cada um tem suas dificuldades e qualidades, assim como em qualquer outra sala de aula de qualquer outro curso. Se psicólogos tem mais problemas psicológicos do que as outras pessoas, eu não sei, e nunca vi pesquisa que apontasse para esse tipo de coisa.
Também é popular achar que psicólogos são “loucos”. Olha, para mim isso também vem junto com a idéia de que é um curso de magia ou coisas ocultas, que só uns maluquinhos podem entender e gostar. Ou então, minha hipótese preferida, é que as pessoas esperam um comportamento tão exemplar e maravilhoso do psicólogo, que qualquer coisinha que ele faça - que em qualquer outro mortal não causaria estranheza – é algo muito grande, digno de um louco.
E quanto à segunda questão, não, eu não leio mentes. Nosso curso não ensina como bater os olhos em alguém e, como uma “máquina de raios x mental” (rs, me perdoem a comparação), eu tirar um relatório completo sobre personalidade, problemas emocionais, tiques, comportamentos recorrentes, coisas desse tipo.

Dentro disso tudo eu também vejo uma outra coisa, que é a falta de informação. Não sei como é em outros países, mas aqui no Brasil a população é muito pouco estudada, e pouco propícia a ler divulgações científicas, segundo a Fapesp. Na minha opinião, as pessoas definitivamente não sabem o que é psicologia. Não sabem o que eu estudo. Ah, e muitos acham que eu nem estudo, e que meu curso é moleza. Já ouvi de um familiar “Ah, você é tão estudiosa, achei que você ia para a ciência, não para a psicologia...”. Por essas e outra que eu acho mais digno me auto-intitular de pesquisadora ou cientista, porque eu tenho vergonha (e medo!) de falar que sou psicóloga.

E o que mais me irrita: “Nossa, você como psicóloga agiu desse jeito? Perdeu a cabeça?? Que horror!”. Definitivamente, eu vou tirar um diploma de psicóloga e não de bom-exemplo-perfeito-supremo!!! Estudar certas emoções, certos comportamentos, não me torna vacinada contra absolutamente nada. A única diferença, talvez, seja que eu possa perceber um pouco mais rápido o que está acontecendo e tentar me tratar, mas ainda assim sabemos o quanto é difícil enxergar as coisas quando acontecem em nós mesmos. Portanto, se as pessoas acham que vão encontrar no psicólogo aquele que consegue colocar em prática certas “coisas” que fazem com que seja uma pessoa perfeita, estão muito enganados. Vão encontrar pessoas. Ainda não temos robôs exercendo essa função. E isso não tira, na minha opinião, a validade da profissão.

Esse é um assunto muito longo, provavelmente vou falar mais sobre isso. E também sobre psicologia. Quero ajudar a divulgar o que raios um psicólogo faz, porque isso pode ajudar a minar certas concepções arraigadas. E tirar toda a mágica misteriosa que parece rondar essa profissão.

10 comentários:

Aline disse...

Ontem eu quase entrei em uma comunidade com o nome parecido com o título desse seu texto.
Essa semana me falaram: "como vc vai ser psicóloga desse jeito? vc que tá precisando de um psicólogo". Claro que preciso! Quase todo mundo precisa!
Mas o que eu mais detesto é qd falam assim: "Ah cuidado em falar essas coisas perto dela, ela vai te analisar"
Se existisse algum tipo de lógica assim nas profissões, de estudar alguma coisa que te isentasse completamente dos problemas por ela estudados, eu com certeza seria médica ou economista!!! hehehe

Diego Caleiro disse...

A profissão da psicologia, em sua maior parte, sobrevive justamente dessa fama mística de tudo cognoscente e etc... se essa fama morrer, a profissão pode morrer junto. Cuidado com seus desejos isa.

http://www.designerevolution.net/quotes_content.htm

aqui, no capitulo on psychology, tem umas críticas pertinentes de um transhumanista À psicologia.

Mr T. disse...

É a velha idéia errada de que quem se propõe a ajudar os outros, não deveria ser ajudado por ninguém.

É como vc bem observou, médicos não deveriam ficar doentes, nem psicólogos deveriam ter problemas, biólogos deveriam evoluir todo dia e físicos se mover à velocidade da luz rsrs.

Adorei o blog, ta linkado :)

Abraços.

Thiago Henrique Santos
www.polegaropositor.com.br

PS: Desculpe pelo link acima, mas como sua caixa de comentário só permite comentários usando a conta do blogger e meu blog tem hospedagem própria, achei conveniente deixar um link correto para vc poder acompanhar a origem deste que vos escreve.

Isabella Bertelli disse...

Diego, a questão que você levanta é interessante, mas.... qual psicologia iria sumir? Como vc sabe, não existe psicologia, e sim psicologias. Alguma(s) poderiam estar ameaçadas, enquanto outras, não. Tento fazer parte do segundo grupo.

Silas disse...

também tem uma parte que é no mínimo engraçada.

ok, sou só um moleque brincando de psicólogo que ja leu um monte de livros.

só porque eu li Freud e Jung aos 17 anos de idade os meus antigos colegas me achavam um louco, um maníaco perigoso.

não me contavam os sonhos e parava de falar nos sonhos quando eu chegava.
tinha gente que me evitava quando descobri que eu gostaa do tema.

acham mesmo que nós temos uma espécie de raio x e que somos sobrehumanos capazes de desmascarar a todos.

acabou que isso me fez bem, os bons amigos mesmo não tinham medo porque não tinham nada a esconder ous e tinham não tinham medo de mudar de opinião ou aprender com as próprias mazelas...

não sou super-homem, talvez eu, mesmo em formando em psicologia algum dia, me consulte com outro psicólogo!

um abraço...

{ b r u n a } disse...

Ah, sou estudante de psicologia e amei seu post!
Me irrita demais quando as pessoas falam "cuidado com ela" só por causa do meu curso!
Quer dizer que agora leio mentes e nem sei? ehehe

LadoB disse...

è faz um tempão que vc postou esse texto mas eu faço psicologia há um ano e meio e é a mesma coisa, se na faculdade agente aprende que devemos fazer terapia já que o nosso trabalho é ouvir a história de vida entre outras coisas das pessoas acabamos sendo como esponjas e absorvendo muito do que nos contam, por que não seríamos como todos os outros? Teriamos que estar imunes de ter problemas? Esses dias minha prima disse: " A psicóloga foi abandonada pelo namorado e entrou em depressão, ela que tem que tratar dos outros, se nem ela não é imune a esse tipo de problemas como pode tratar os outros do mesmo? Por isso que eu digo quem faz psicologia tem sempre problemas, faz psicologia p resolvê-los".
Meu Deus somos humanos, não dá para separar uma coisa da outra, não sou uma máquina, temos sentimentos e uma vida!
Espero que algum dia entendam oque é ser psicologo e que não é um curso nada fácil visto que os objetos de estudo não são palpáveis ou visiveis, e é algo que exige muito cuidado já que você está mexendo com a psique de uma pessoa.
Beijus e desculpe se falei bobagem.
Leana

Kah santos disse...

Olá, não sei se você ainda utiliza este blog, até porque ele foi escrito em 2010, e cá estamos em 2013, mas queria parabeniza-lo por esta bela explicação, sobre o que na realidade os psicologos acabam sofrendo, porém ao mesmo tempo fiquei bem decepcionada na parte que diz que tem vergonha de dizer que é psicologo, e que por isso acaba se auto titulando. Estava tudo perfeito, até Você citar isto, fiquei realmente decepcionada.

Bia Rocha disse...

Isabella, boa tarde! Achei muito legal o que escreveu e a forma como se expressou.
Sou Psicóloga formada há 5 anos e convivo com toda esta realidade que você apresentou desde quando escolhi a minha profissão que, cá entre nós, é maravilhoooosa!
E, infelizmente, a distorção que as pessoas fazem estará sempre presente em nosso cotidiano, o melhor jeito de lidar com isso que, particularmente, eu encontrei é silenciar e utilizar a forma de raciocínio como mais um objeto de analise da situação. Tenho uma página no Facebook, na qual compartilhei este seu texto.
Vamos ver se sairá alguma discussão acerca do tema.
Um grande abraço e sucesso!

https://www.facebook.com/pages/Psicoterapia-Para-Todos/377824232328852?ref=hl

Isabella Bertelli disse...

Olá Bia, obrigada pelo seu comentário. Dei curtir na sua página, muito legal.